sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012


















Eu quero arrancar a máscara
Do pó alheio,
Das ausências passadas
Que continuam presentes,
O punhal cravado, olhado com irônia,
Por não poder ser tirado
E menos ainda colhido por mãos amigas...
 
Eu quero ser sem palavras
E sem explicações,
Versos escancarados
Que nada falam
E te dizem tudo,
Por do sol multicolorido
Que caí sobre a tarde,
Só, mas eterno
Efêmero e livre.
Venha e te acolherei.

Milene.

domingo, 12 de fevereiro de 2012

Morada em mim,
faz meu céu e inferno,
enigma d'alma, ruir de castelos...
céu, bombom, doce de algodão...
inferno, cheio de dúvidas, pressão..
areia da duna, transforma-se,
o céu está em mim,
o inferno, me quer para si
descoberta que fiz,
fico bem, seja lá onde for...
o céu é aqui, dentro de mim,
o inferno quer ser,
mas não o quero pra mim...
 
 Milene.