sexta-feira, 16 de novembro de 2012























Sigo os teus olhos ao infinito do Ser
De meu Ser entrelaçado ao teu,
Do tempo que eternizamos
Desde sempre juntos
Em laços que te fazem meu
Naturalmente céu, lua, sol,
Mar e tudo o que importa,
Que me fazem tua,
Na cidade grande iluminada à noite,
Em um quarto escuro à sós,
Em toda parte,
Solidão que derrete-se
E vira palavra morta,
Enquanto o amor se apodera de nós
Paira em volta e nos une,
Dança e se torna ar, sobrevivência,
- Dois corpos, duas vidas,
Em uma alma só.
 
Milene.

domingo, 21 de outubro de 2012














Quantas lágrimas percorri até ti
Caminho de separações marcado
A ferro e fogo na alma,
Âmago que chora por ti,
Pelos teus olhos, que sozinhos
Contém todo meu mundo particular...
Anseio eternizado no tempo,
No sonho que tenho de te ter comigo,
Junto a mim como Um,
Um em dois
Sem desatar mais laços,
Fecha as minhas feridas amor
No aconchego de teus braços,
Em tua presença,
União de corações, corpos e almas,
Esta é a chama que a tudo une
Que a tudo dá vida e sentido
Esta é a salvação.

Milene.

domingo, 10 de junho de 2012

Nada que a dor não largue
Nada que a dor não fale
Não frite, não grite,
Dentro de mim.
Entidade de tantos anos
Frente a frente
Com a parte de mim
Que não pude deixar de ser...
Tira pra mim a tua máscara
E das feridas me dá nova vida,
Libertação é o que peço
Ainda que os meus passos
Estejam pesados pela presença do ontem
Por tua sedução em palavras
Pelos meus fantasmas
Dilacerando por dentro minha alma,
O meu sentido de Eu,
Que confuso, desesperado, em agonia,
Procura o seu Ser.
 
Milene.
 
 
Aos meus amigos e leitores
 
 
Ando afastada do blog e da blogosfera por motivos pessoais, mas ainda assim, sempre que possível, virei postar alguns versos aos interessados em le-los. Estou em dívida também com vários amigos que sempre me deram muitas alegrias com os seus blogs e com a sua proximidade; amigos que visitarei aos poucos, a medida do possível.Um grande abraço a todos,
 
 Milene. 

domingo, 8 de abril de 2012

Já não estou viva, trágica e cômica
Como era um dia
Em que a inocência
Era só o que havia.
Agora os rasgos
Se somam as tardes vazias
- Aquelas em que tudo era nada
As lágrimas que não foram vistas
E mais tantas outras caladas,
Sufocadas por sorrisos de cortesia...
Ainda reina tu- tristeza contida
E a menina já não é menina
E o presente já virou passado
Reflexos teus calcados no peito
Disfarçados em versos
Destino ou apenas escolhas?
Não sei.

Milene.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012


















Eu quero arrancar a máscara
Do pó alheio,
Das ausências passadas
Que continuam presentes,
O punhal cravado, olhado com irônia,
Por não poder ser tirado
E menos ainda colhido por mãos amigas...
 
Eu quero ser sem palavras
E sem explicações,
Versos escancarados
Que nada falam
E te dizem tudo,
Por do sol multicolorido
Que caí sobre a tarde,
Só, mas eterno
Efêmero e livre.
Venha e te acolherei.

Milene.

domingo, 12 de fevereiro de 2012

Morada em mim,
faz meu céu e inferno,
enigma d'alma, ruir de castelos...
céu, bombom, doce de algodão...
inferno, cheio de dúvidas, pressão..
areia da duna, transforma-se,
o céu está em mim,
o inferno, me quer para si
descoberta que fiz,
fico bem, seja lá onde for...
o céu é aqui, dentro de mim,
o inferno quer ser,
mas não o quero pra mim...
 
 Milene.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Seja tudo, estrela de luz
A ilusão não existe,
Só a pura realidade, que você faz.
Ilumina, se irradia de um dia a outro,
Tomando forma, não és apenas um dia a mais.
Faça, feche os olhos e torne,
O vento sopra, e com ele me leva,
Longe amor, no silêncio
Que toca por dentro,
Me encontro em você e sem você,
Estou com você,
Mesmo que sejas um sonho,
Que passou e há de vir,
Vivo em meu peito.
 
Milene.