sábado, 17 de setembro de 2011















O vento toca os ramos de trigo
Suavemente se colore a manhã
Seus passos vindos de longe, em ecos
Traduzem sentido entrelaçado
A sol e sentimento.
O pensamento se esboça
Através da paisagem
Sonho diluído em aquarela,
Luminosas cores enchem de perfume
E rosas o ar
As mãos se encontram
Olhos lacrimejantes se cruzam
Transbordantes de vida
Sedentos de sons
Nos levam a um mundo
Que não existe mais.


Milene.


 Prélude à l' Après-Midi d'un Faune - Claude Debussy

* Esse poema é uma repostagem do primeiro poema postado nesse blog, quando na verdade não havia ainda público para le-lo; eu o escrevi em um momento em que ouvia essa bela peça musical de Debussy, postada dessa vez também aqui. 
* Ficarei sem postar por algum tempo, provavelmente até o final de outubro, pois o tempo anda bastante corrido e escasso para mim . Espero que meus amigos e leitores não me abandonem por esse motivo.                 

sábado, 3 de setembro de 2011


Em meus olhos está minha poesia
Nua, clara, fria
Mundo pintado em vermelho
amarelo, verde, azul
Colorido em cada espaço,
Nota, dor, pedaço
Vida! Cheia de ar e vácuo
Feita de mágica de sons.
Procurando em teus lábios
Alma que escondo
Flama de fogo
Taça transbordante de versos
Em cada encontro,
Raios iluminando a razão
Me trazendo a noção
Do teu, do meu coração...

Milene.