segunda-feira, 15 de agosto de 2011


Tua poética está em meu ventre
Desenha estrelas entre minhas pernas
Envolve meus olhos entreabertos
Possuidores que são de teus lábios
Faíscas de constelações extintas
Que tuas mãos tecem
Em minhas ancas,
Em meus seios expostos,
Enquanto me apodero de teus desejos
E o mundo gira e se perde à volta...

Tua poética são versos recitados no corpo
Sons que bailam,
Me penetram a pele,
Me guiam as mãos,
Os meus instintos,
O teu perfume nu.
Submisso enlevo que explode,
Eternidade que se faz presente,
Realiza-se em minha ventura
- Alma entregue em corpo que arfa...

Milene.

15 comentários:

  1. Lindo e "caliente" poema,Milene!beijos,chica

    ResponderExcluir
  2. Ei querida!
    Adorei a poesia.Linda
    Que sua semana seja de paz.
    Gd beijo

    ResponderExcluir
  3. Amei! Milene.Amar com plenitude é doação é entrega.Lindo poema. Um forte abraço e muita luz na tua vida .Eloah

    ResponderExcluir
  4. Eloah, já tentei várias vezes ler os seus escritos no seu blog mas por algum motivo a página nunca carrega inteira, ou melhor, carrega por poucos segundos e depois as postagens somem! Se vc puder me ajudar a resolver esse problema ,será um prazer te ler. Obrigada por tua presença aqui, um beijo!

    ResponderExcluir
  5. A dialética do prazer? Que lindo esse jeito de falar do que embriaga e seduz. E como é bom quando se pode dividir o prazer com a entrega da alma junto, a poética é completa!

    Ah se Brad Pitt lesse... rss

    Como você é poética, amiga, sempre dando seu tom.

    Desculpe a brincadeira sobre o Brad, mas nao teve como nao lembrar :)

    ResponderExcluir
  6. Lembra daquele causo que citei sobre a namorada de 15 anos que se jogou do apartamento porque ela e o amáseo nao estavam se dando bem? Pasme, ela tinha 13 e nao 15, e tá aqui a reportagem.

    * se quiser pode deletar esse coment, foi só porque estava lendo e lembrei tinha comentado contigo.

    Bjao Mi, bom dia aí!

    ResponderExcluir
  7. Passando por aqui para te deixar um abraço e apreciar mais essa encanto de poesia.. Show.. Bjss

    ResponderExcluir
  8. Também achei o poema ficaria perfeito lido no ouvido de um Brad, ao som de Chopin, ou Beethoven. Nao importa, e como você disse, que tivesse a beleza do Brad por dentro, seria o principal...

    Obrigada, amiga, bom findi pra você também!!
    Aqui fez uma semana linda de sol e muito calor, acho por isso me deu mó dor de cabeça, pode? auhauah

    ResponderExcluir
  9. Obrigada pela visita! O poema é forte, gostei!

    Beijocas

    ResponderExcluir
  10. Oi migaaaaaaaaaaa!!!!!
    Como vc está?? O que anda fazendo da vida?? Nossa, já faz um tempinho, to passando só por alguns blogs pra dar sinais de fumaca e dizer que estou viva, haha

    Caramba, seus poemas eróticos sao uma delícia, quanta sutileza e requinte podemos encontrar neles, acho que para escrever assim é necessário uma dose de sensiualidade e ao mesmo tempo elegancia, vc uniu tudo a la perfección!

    Desculpa a "sumida", ando de viagens em viagens, e trabalhando no meu terceiro livro (sem ter tempo tb para ele, pois meu marido pegou férias longas e temos só 1 PC para duas cabecas, haha, voltamos de viagem recentemente e já vamos para outra semana que vem)...
    Entao, passei pra deixar um beijao...
    Nao esquece de mim, please!! Até final do ano, minha vida desacelera....
    Beijokonaa e bom final de semana!!

    ResponderExcluir
  11. Lindíssimo e intrigante poema...quanta sutileza e leveza ao se falar de um amor na intimidade. Adorei! só mesmo os poetas...quem sabe em uma outra encarnação eu também não seja uma...hoje, só venho apreciar...amo poesias...

    Ontem conheci a linda e bela poetiza Lunna Guedes, em um lançamento do seu livro de poesias em forma de diário. Conhece ela? "menina no sótão"...acredito que voce iria adorá-la...

    Um beijo, querida!
    Liz

    (não se preocupe em retribuir a minha visita...venho aqui por que gosto muito de poesia...)

    ResponderExcluir
  12. Possuidora estás da minha lira
    a mente inflama
    em chama
    a pisuqê delira
    na árdua tarefa
    de fecundar meu verso
    no teu ventre
    e repousar profano
    à sombra de longos anos
    sobre toda a essencia divinal
    tal qual um sátiro blásfemo
    solfejar embriagado
    melodias orgíacas ao teu ouvido.

    ResponderExcluir

Obrigada a todos pela visita e pelos comentários. Voltem sempre, =).