domingo, 5 de junho de 2011

Tarot - A lua
Leia através de meus versos, meu bem
e verás muitas vezes
A tua expressão borrada
As tuas notas impressas
A tua voz apagada
aos poucos por teu silêncio
os sentimentos escandarados
e nem sempre compreendidos por mim,
O teu doloroso punhal
em meu coração. 
A dúvida criou raízes
Teus olhos profundos de anjo
palavras tão doces
mituradas em coquetel
com tua conduta incompreensível
Me trouxe Álvares *
- Teu idólo
Leviano sem dó? *
Será que mentias? *
Enxergo até hoje apenas confusa neblina
Conheço somente frestas
Embaçando o caminho
pontos de interrogação
sem contrapartida,
Entremeados por emoções desconexas. 

Milene. 

* Alusão ao poeta da segunda geração romântica brasileira Álvares de Azevedo e ao seu poema Por que mentias?-  pertencente a terceira parte do seu livro Lira dos vinte anos

Link para o poema ( Por que mentias?) - http://pt.poesia.wikia.com/wiki/Por_que_mentias%3F

11 comentários:

  1. Ah,essas emoções que nos tira o juízo..
    Lindo sempre tua poesia Milene ;)
    Um beijo

    ResponderExcluir
  2. Belo, cheio de sentimento e muito bem traçado e elaborado!

    Beijo, Milene e uma ótima semana!

    ResponderExcluir
  3. Ao inspirador , um poema perfeito...adorei !

    um beijo, Milene!

    ResponderExcluir
  4. Milene,
    Nooossa, minha linda,perfeito o trabalho! Nesse post o respeito há de se maior: estou reverenciando dois poetas: você e Álvares de Azevedo!!!
    Bjs, linda, muito bonito mesmo o post!

    ResponderExcluir
  5. Melodia em Versos, não vejo nome melhor para esse espaço. Porque os seus versos cantaram para mim à medida que os meus olhos os cumprimentavam. E no âmago uma música silenciosa ecoou, seguida pela poesia banhada por sentimentos cheios de intensidade.
    Voltarei mais vezes aqui para ouvir outras melodias.

    ResponderExcluir
  6. Palavras e sentimentos colocados de uma forma especial.

    Bjs.

    ResponderExcluir
  7. "O teu doloroso punhal em meu coração."
    Me fez lembrar do meu primeiro amor, aquele dos 20 anos, em que a gente vive sangrando.
    Vai escrever um livro, Milene! rs
    Adoro também teus comentários, você é fina!

    ResponderExcluir
  8. Ah, eu disse que adoro teus comentários...
    aquele "mas às vezes a comida desce meio sem graça, sem sal, sem açúcar..." foi demais, ao mesmo tempo que refleti, morri de rir, porque me sinto, no momento, exatamente sem sal e sem açúcar, acho tô precisando de pimenta malagueta até os cocos!!! hehe
    Bem, mas menos mal se sentir morna que fria...

    Espero tenha gostado do "fina", contudo :>

    Um beijao Milene!

    ResponderExcluir
  9. esqueci de dizer aí em cima "estou me sentindo"
    a mania de nao revisar coment, dá nisso.

    Ah, e dê um pulinho no meu outro blog, tem um link na minha última postagem, lá tem uma manualzinho que fiz sobre como tirar essas palavrinhas de verificacao aqui do coment :>

    ResponderExcluir
  10. Milene,

    Deixa que a neblina se dissipe... verás claramente uma nova realidade. Tudo tem o seu tempo para acontecer!

    Beijos!!!
    AL

    ResponderExcluir
  11. Que belo poema!
    Cheio de sensibilidade.

    Encanto de blog o seu.

    beijo,

    http://cadinhodeceu.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Obrigada a todos pela visita e pelos comentários. Voltem sempre, =).