quinta-feira, 28 de abril de 2011



















A vaga areia do tempo
Me escorre das mãos,
Como poesia e cores,
Como um dizer sem palavras,
Movimentos incertos,
Refletidos em teu profundo olhar.
Pegadas são deixadas
Em meus recantos
- abismos noturnos
Florestas que habitamos entre
Suor e lágrimas,
Sóis e luas.
Teu frescor sonhado
Renascendo a cada dia
Em meu horizonte
- Maré violenta
Perdida em meus passos.

Milene.

sexta-feira, 22 de abril de 2011

A fina flor de tua pele macia
Me arde, me cria,
Pensamentos proibidos
Com tua boca úmida
Mãos fortes, ousadas,
Membro rígido,
Invasão esperada
De meus labirintos...
Despe-me com teus olhos de fogo
És incêndio devastador
Pimenta, fome voraz ...
Sou tua ceia
Banquete a ser devorado,
Lava vulcânica,
Tatuagem marcada
Em teus caminhos...
És meu complemento
Louco para preencher
Minhas ausências
Carências de tato
De tua língua
Arrebatadora paixão...
Tua chama em comunhão
Com a minha
É soma numérica perfeita,
Suor misturado,
Desejo rasgado,
Deleite absoluto.

Milene.

quarta-feira, 20 de abril de 2011















Sentido

Esquecido, vivo, ou adormecido
São todos os momentos passados, vividos
De presente, sinto tudo o que quero
O que está longe e o que em minha imaginação faço perto
Aquele pássaro que se foi e acreditei ser o meu
A música que toca e que eleva minh'alma
Aquele sem sentido que existe em todo sentido que damos a tudo

Sós- sós estamos em nossos quartos fechados
Sós estamos mesmo próximo de todos
Todos que são e não nós
Que andando, vivendo, passando
Fazem, levam, vivem, nossos sonhos e ilusões
 
Viver sem ter vivido
Querer se tocar em um abraço
Ir além, fundir-se, respirar e saber que encontrou
Encontrou o amor, pegou o destino e o transformou

Sair, andar pelas ruas
Procurar a vida que existe em cada olhar
Sair de si e entrar em um livro
Assim somos todos e todos são um
E em cada vida, em cada passo
O vento sopra...
A vida passa...
E as lembranças que jamais serão apagadas
São como folhas de um livro que esqueço

Amei- tudo o que quis foi amor
Adormecer, ser uma criança que precisa de colo e carinho
Conhecer amando, as estrelas, as constelações
Desvendar os segredos da criação
Amando ser Deus, sofrendo em minha dor ser feliz

Vago pela vida sem começo e sem fim
Em um fim que só possui começo
Me sentindo sempre, em um começo sem fim.

Milene.

sábado, 16 de abril de 2011

Cosmic tarot - Ás de copas
Quero o teu cálice
De alegrias e amarguras
Tua partitura de vida
Ás vezes triste,
Mas presente, desperta.
Amanhecer contigo,
Percorrer as alamedas
De tua alma,
Por amor aceitar
O bom e o ruim,
A luz de teus olhos
O teu olhar que mesmo distante
Me trás imensidão.
Abrem-se estradas floridas
A minha frente,
Estás longe, mas tua lembrança
Faz morada em meu infinito
Sons e silêncios se enlaçam
Dançam, brincam,
Compõem melodias em versos
Sussurram-me eternidades
És absoluto pra mim.

Milene.

segunda-feira, 11 de abril de 2011



















A alma do mundo, está em mim,
E nela ando procurando um lugar,
Em meu secreto encontro,
intimamente me vejo, sem que me vejam...
Sinto a solidão, de meu pequeno refúgio
na música que toca.
Procuro o que há, em comum em nós,
Fujo do raso, almejo a profundidade.
Sou alegre e triste a um tempo,
por sentir tanto, por amar sem querer,
por esperar, sem saber o que.
Sou filha da vida, que se fez em mim - 
cigana sem rumo,
e dos sons
que me trouxeram aqui.

Milene.

quinta-feira, 7 de abril de 2011



 















Um

Uno como um grão de areia
Em um imenso deserto
Passeando pela multidão
Juntos e separados
Apenas um,
Que poderia ser outro ou não...
Em suas lágrimas,
em seus esforços
Em sua luta para que tudo
Não seja em vão.
Viva, sonhe, não
espere mais.
No labirinto humano
Tão sós e inseparáveis
No fundo e sem saber,
Somos apenas um.

Milene.

sábado, 2 de abril de 2011

Verano Portenõ - Astor Piazzolla - Tango

 

Raio de luz
Transformado em cinzas
fumegante passagem em meu ser
Violenta música, dor rasgante,
inesquecível...
Promessa falsa que caiu do céu
Sonho disperso de vida
punhal não retirado do coração...
O olhar continua em falta
Paralisado em uma noite de amor
As mãos que tudo deram
Recolheram o coração...
Fazes parte do meu quebra cabeça
Rosto destinado
a se desmanchar no tempo
Lembranças que doem e me fazem falta
- Parecia amor
Mas era só loucura, em seus excessos
Apenas cartas de amor picadas
em um tango sem final feliz.

Milene.