quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Da maravilhosa inutilidade da arte

" Pode-se perdoar a um homem o fazer uma coisa útil, enquanto ele a não admira. A única desculpa que merece quem faz uma coisa inútil é admirá-la intensamente.Toda a arte é absolutamente inútil." 
Oscar Wilde.

Inútil sou por não ser utensílio
Por não ser vendável
Por não me encaixar no mercado.
Apenas sons, imagens, versos
Fruídos por almas,
Transformados em substância,
Luz que desponta aos olhos,
Deslumbra  ouvidos,
Penetra em corações.
Despretensiosa, brinco com versos,
Junto notas, encho o mundo de cores.
Aliada ao amor que a tudo permeia
Faço a vida valer a pena
Sou útil ao ser inútil como objeto
Comovente por minha eternidade
Doce por minha missão
Existo por meus escolhidos
E pelos que me escolheram
Posso vir como música
Representar vidas
Falar por metáforas
E por fim,
ser chamada de arte.

Milene. 



* Inspirado na palestra "Brincar, Jogar, Tocar e Atuar: Conexões Estéticas" ministrada pelo Prof. Dr. João Francisco Duarte Júnior (Unicamp) na Ufg dia 21/ 02/2011.

2 comentários:

  1. Milene,
    Adorei sua arte-poesia, ou sua escrita-em-arte, pura arte. Muito bom seu blog. Voltarei aqui mais vezes,
    abçs
    Carlos Eduardo

    ResponderExcluir
  2. Vim retribuir sua visita e adorei seu espaço! Parabéns! Já estou seguindo.

    Bjs,

    Karina - Mundo Psi.

    ResponderExcluir

Obrigada a todos pela visita e pelos comentários. Voltem sempre, =).