domingo, 3 de março de 2013


Informo a todos os meus seguidores e leitores que por motivos pessoais estou encerrando as minhas postagens neste blog. Agradeço a todos que de alguma forma por aqui passaram e deixaram com ou sem palavras o seu carinho, a sua presença, a sua amizade. Não tirarei este blog do ar em consideração aos seguidores e amigos que estiveram aqui em algum momento; o deixarei paralizado no tempo para quem, por ventura, as minhas antigas postagens ainda possam interessar. 
Um grande abraço, Milene.

sexta-feira, 16 de novembro de 2012























Sigo os teus olhos ao infinito do Ser
De meu Ser entrelaçado ao teu,
Do tempo que eternizamos
Desde sempre juntos
Em laços que te fazem meu
Naturalmente céu, lua, sol,
Mar e tudo o que importa,
Que me fazem tua,
Na cidade grande iluminada à noite,
Em um quarto escuro à sós,
Em toda parte,
Solidão que derrete-se
E vira palavra morta,
Enquanto o amor se apodera de nós
Paira em volta e nos une,
Dança e se torna ar, sobrevivência,
- Dois corpos, duas vidas,
Em uma alma só.
 
Milene.

domingo, 21 de outubro de 2012














Quantas lágrimas percorri até ti
Caminho de separações marcado
A ferro e fogo na alma,
Âmago que chora por ti,
Pelos teus olhos, que sozinhos
Contém todo meu mundo particular...
Anseio eternizado no tempo,
No sonho que tenho de te ter comigo,
Junto a mim como Um,
Um em dois
Sem desatar mais laços,
Fecha as minhas feridas amor
No aconchego de teus braços,
Em tua presença,
União de corações, corpos e almas,
Esta é a chama que a tudo une
Que a tudo dá vida e sentido
Esta é a salvação.

Milene.

domingo, 10 de junho de 2012

Nada que a dor não largue
Nada que a dor não fale
Não frite, não grite,
Dentro de mim.
Entidade de tantos anos
Frente a frente
Com a parte de mim
Que não pude deixar de ser...
Tira pra mim a tua máscara
E das feridas me dá nova vida,
Libertação é o que peço
Ainda que os meus passos
Estejam pesados pela presença do ontem
Por tua sedução em palavras
Pelos meus fantasmas
Dilacerando por dentro minha alma,
O meu sentido de Eu,
Que confuso, desesperado, em agonia,
Procura o seu Ser.
 
Milene.
 
 
Aos meus amigos e leitores
 
 
Ando afastada do blog e da blogosfera por motivos pessoais, mas ainda assim, sempre que possível, virei postar alguns versos aos interessados em le-los. Estou em dívida também com vários amigos que sempre me deram muitas alegrias com os seus blogs e com a sua proximidade; amigos que visitarei aos poucos, a medida do possível.Um grande abraço a todos,
 
 Milene. 

domingo, 8 de abril de 2012

Já não estou viva, trágica e cômica
Como era um dia
Em que a inocência
Era só o que havia.
Agora os rasgos
Se somam as tardes vazias
- Aquelas em que tudo era nada
As lágrimas que não foram vistas
E mais tantas outras caladas,
Sufocadas por sorrisos de cortesia...
Ainda reina tu- tristeza contida
E a menina já não é menina
E o presente já virou passado
Reflexos teus calcados no peito
Disfarçados em versos
Destino ou apenas escolhas?
Não sei.

Milene.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012


















Eu quero arrancar a máscara
Do pó alheio,
Das ausências passadas
Que continuam presentes,
O punhal cravado, olhado com irônia,
Por não poder ser tirado
E menos ainda colhido por mãos amigas...
 
Eu quero ser sem palavras
E sem explicações,
Versos escancarados
Que nada falam
E te dizem tudo,
Por do sol multicolorido
Que caí sobre a tarde,
Só, mas eterno
Efêmero e livre.
Venha e te acolherei.

Milene.

domingo, 12 de fevereiro de 2012

Morada em mim,
faz meu céu e inferno,
enigma d'alma, ruir de castelos...
céu, bombom, doce de algodão...
inferno, cheio de dúvidas, pressão..
areia da duna, transforma-se,
o céu está em mim,
o inferno, me quer para si
descoberta que fiz,
fico bem, seja lá onde for...
o céu é aqui, dentro de mim,
o inferno quer ser,
mas não o quero pra mim...
 
 Milene.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Seja tudo, estrela de luz
A ilusão não existe,
Só a pura realidade, que você faz.
Ilumina, se irradia de um dia a outro,
Tomando forma, não és apenas um dia a mais.
Faça, feche os olhos e torne,
O vento sopra, e com ele me leva,
Longe amor, no silêncio
Que toca por dentro,
Me encontro em você e sem você,
Estou com você,
Mesmo que sejas um sonho,
Que passou e há de vir,
Vivo em meu peito.
 
Milene.




sábado, 24 de dezembro de 2011


Recordar 


Sê como o Sol para a Graça e a Piedade.
Sê como a noite para encobrir os defeitos alheios.
Sê como uma corrente de água para a generosidade.
Sê como a morte para o ódio e a ira.
Sê como a Terra para a modéstia.
Aparece tal como és.
Sê tal como pareces.
Se pudesses libertar-te, por uma vez, te ti mesmo,
o segredo dos segredos se abriria para ti.
O rosto do desconhecido, oculto além do universo,
apareceria no espelho da tua percepção.
Na realidade, tua alma e a minha são o mesmo.
Aparecemos e desaparecemos um com o outro.
Este é o verdadeiro significado das nossas relações.
Entre nós, já não há nem tu, nem eu.
O vale é diferente, acima das religiões e cultos.
Aqui, em silêncio, baixa a cabeça.
Funde-te na maravilha de Deus.
Aqui não há lugar para religiões nem cultos.
Há uma Alma dentro de tua Alma. Busca essa Alma.
Há uma jóia na montanha do corpo. Busca a mina desta jóia.
Oh, sufi, que passa!
Busca dentro, se podes, e não fora.
No amor, não há alto nem baixo,
má conduta nem boa,
nem dirigente, nem seguidor, nem devoto,
só há indiferença, tolerância e entrega.

Rumi.






* Desejo a todos amigos, seguidores e leitores, um natal e um ano novo repleto de amor e luz, paz e esperanças. Que esse novo ano seja oportunidade de refazimento e renascimento para todos. Um grande abraço, Milene.

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Por tanto tempo 
Fui aquela que te pintava em versos, 
Os teus passos, 
Os teus traços borrados 
Por tantas paisagens novas, 
Sedutora voz marcada 
Por olhos de mel 
Profundos e tristes...

Por tanto tempo, 
Apenas vaguei só, 
Te imaginando por trás de lugares e ares, 
Em acordes, em frases musicais doloridas, 
Misturadas a serenidade 
Que a vida me obrigou a alcançar... 

Sim, a menina morreu 
Em favor da mulher que chora as tuas lágrimas, 
O teu sentir que distante, também é meu! 
O meu amor, que mesmo agora, 
Impossível, velho e tão maltratado, 
Ainda é teu!

Milene.


sábado, 5 de novembro de 2011


A saudade bate à porta,
E o seu vazio
É ouvido por dentro
- cadafalso oco
Sua estridente batida o estremece.
O olhar se volta
Para cheiros e formas,
Vultos que dançam,
Sorriem e choram,
Sombras distantes que doem,
Enquanto dou as costas
Aos teus apelos...
-Viver é preciso
Mesmo quando os dias são longos,
E as noites se fazem
De melancólicas lágrimas...
- A saudade sabe que não há volta,
Que não há como se voltar atrás.

Milene.












Sarabanda  in D minor - Händel

* Volto á postar agora aos poucos nesse blog... agradeço a todos amigos e leitores que não me abandonaram nesse tempo que estive ausente. 

* Essa música, como sempre acontece quando incluo peças musicais em uma de minhas postagens, está vinculada ao sentimento desses versos, emprestando a eles maior sentido e profundidade; por isso deixo aqui como sugestão, ouvir a peça e ler os versos ao mesmo tempo. Essa sugestão vale para todas as peças musicais  que já foram e ainda serão postadas nesse blog junto com os meus versos. Essa peça é também tema central de um maravilhoso filme do incrível diretor Stanley kubrick - Barry Lyndon, um filme que recomendo á todos.

sábado, 17 de setembro de 2011















O vento toca os ramos de trigo
Suavemente se colore a manhã
Seus passos vindos de longe, em ecos
Traduzem sentido entrelaçado
A sol e sentimento.
O pensamento se esboça
Através da paisagem
Sonho diluído em aquarela,
Luminosas cores enchem de perfume
E rosas o ar
As mãos se encontram
Olhos lacrimejantes se cruzam
Transbordantes de vida
Sedentos de sons
Nos levam a um mundo
Que não existe mais.


Milene.


 Prélude à l' Après-Midi d'un Faune - Claude Debussy

* Esse poema é uma repostagem do primeiro poema postado nesse blog, quando na verdade não havia ainda público para le-lo; eu o escrevi em um momento em que ouvia essa bela peça musical de Debussy, postada dessa vez também aqui. 
* Ficarei sem postar por algum tempo, provavelmente até o final de outubro, pois o tempo anda bastante corrido e escasso para mim . Espero que meus amigos e leitores não me abandonem por esse motivo.                 

sábado, 3 de setembro de 2011


Em meus olhos está minha poesia
Nua, clara, fria
Mundo pintado em vermelho
amarelo, verde, azul
Colorido em cada espaço,
Nota, dor, pedaço
Vida! Cheia de ar e vácuo
Feita de mágica de sons.
Procurando em teus lábios
Alma que escondo
Flama de fogo
Taça transbordante de versos
Em cada encontro,
Raios iluminando a razão
Me trazendo a noção
Do teu, do meu coração...

Milene.

segunda-feira, 15 de agosto de 2011


Tua poética está em meu ventre
Desenha estrelas entre minhas pernas
Envolve meus olhos entreabertos
Possuidores que são de teus lábios
Faíscas de constelações extintas
Que tuas mãos tecem
Em minhas ancas,
Em meus seios expostos,
Enquanto me apodero de teus desejos
E o mundo gira e se perde à volta...

Tua poética são versos recitados no corpo
Sons que bailam,
Me penetram a pele,
Me guiam as mãos,
Os meus instintos,
O teu perfume nu.
Submisso enlevo que explode,
Eternidade que se faz presente,
Realiza-se em minha ventura
- Alma entregue em corpo que arfa...

Milene.

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Tarot - Três de Espadas

Não te olho de frente
Te vejo pelo pensamento,
Passos incertos pelas avenidas do tempo
Fusão desesperada de passado e presente
Lamina cortante
Onde tu me tens nua !
- Alma exposta por rasgos, feridas
Estraçalhada pelos teus olhos,
Pelos teus lábios, pelo teu Eu, tão meu...
O meu amor me tem tua !
Menina afastada de sua sombra,
De seu Eu sorridente,
Mulher formada por cacos
- Mosaico em flor
Pó que não é cocaína
- Será só tristeza?
E a fruta mordida
Que foi proibida
Dividindo águas de vida
- Paraísos perdidos em queda.

Milene.